09 setembro, 2009

Amazona em sua cavalgada


Amazona, guerreira da luz e do amor
Alada em meu cavalo branco
De crinas longas cintilantes
Bravamente cavalgando
Em berço verdejante
Nas gramas molhada pelo orvalho
Das lágrimas da noite de luar
hábil no reio de meu cavalo
Que em galopes saiu a procurar
No silencio da mata densa
O cavaleiro negro a reencontrar
Para juntos novamente
No vale da paixão cavalgar
Cavalgo em saudade
Dominando a miragem
Quando o leve som das ferraduras
Começo a escutar
Com passos lentos e graciosos
em tua direção vou a galopar
Ansiando com desespero, querendo te dominar.

Descansando desta árdua cavalgada,
No bosque, entre a beleza de arbustos e flores.
Enfim desnudamos o n
osso ser
Entre sonhos e fantasias
Suspiramos a cantar
Como versos que viram poesia.

No ar um cheiro de desejo contido,
De todo prazer até aqui escondido.
Quando os primeiros raios do alvorecer
Nos desperta espírito em chama ardente
Saímos a calvagar para esse mundo
Novamente desbravar



Autora: Andresa Araujo
Imagem : Web